Autoridade Profissional

Ao questionarmos qual o perfil de uma pessoa que tem Autoridade Profissional, muitos podem responder que é aquela pessoa que tem anos de carreira ou alguém que ocupa um cargo alto na empresa. O grande problema é que isso pode representar outro grupo de profissionais: que são aqueles que têm poder, mas não tem autoridade suficiente. Sim, são duas coisas distintas.

A autoridade se constrói com confiança e inspiração. Esse é um patamar, não muito alto, mas importante para que um profissional alcance. Para construir autoridade no seu meio de atuação, é preciso que o indivíduo seja uma referência no meio em que atua, que tenha credibilidade quando falar e que seu método de execução (ou até mesmo estilo de vida) seja um exemplo à ser almejado de seguir. Ou seja, a autoridade é consequência de outras habilidades bem desenvolvidas

A autoridade profissional é algo que se constrói durante a carreira, por isso é necessário ter cuidado, e não confundir autoridade profissional com algum status apenas de poder.

Habilidades profissionais e habilidades pessoais: são coisas distintas?

É usual que ao se preparar para uma entrevista de emprego, o candidato preocupa-se em mostrar suas habilidades profissionais para aquele cargo, e o recrutador por sua vez, analisa as características pessoais que se destacam em cada candidato. Mas a questão é: são coisas distintas? Bom, há controvérsias quanto à isso, mas uma coisa que podemos observar é que há um consenso em que se pode afirmar que: as características pessoais influenciam muito nas habilidades pessoais do indivíduo. Logo, para desenvolver certas habilidades profissionais, é preciso trabalhar algumas questões pessoais primeiro.

Para um cargo de liderança, não basta apenas estar frente à uma equipe, e mais importante ainda, não é saber mandar que te fará um líder melhor. É preciso desenvolver algumas características pessoais, como uma habilidade de observação dos indivíduos, habilidade de influência (sem manipulação), capacidade de resolver conflitos mesmo estando sob pressão, entre outras características.

Em resumo, para desenvolver boas habilidades profissionais, é preciso entender quais características pessoais é preciso trabalhar, para que se torne habilidades que contribuam com a carreira.

O custo de oportunidade aplicado à carreira

 

Um termo comum utilizado por quem atua na área de economia é o Custo de Oportunidade. Mas além desta área, podemos aplicar em outros contextos também, como por exemplo, na carreira. Você sabe o que significa esse termo?

Custo de oportunidade se refere basicamente às implicações que uma oportunidade também pode oferecer, sejam elas custo financeiro ou a necessidade de abrir mão de outras coisas para aproveitar a oportunidade no momento. E para uma ascensão saudável na carreira, é preciso estar consciente desses custos, tal como na área de economia, que eles são levados em conta para considerar viável ou não certos investimentos.

Aceitar um cargo de liderança pode trazer benefícios, como credibilidade profissional e um salário mais alto. Mas também pode exigir mais do profissional, por envolver gestão de pessoas, novas responsabilidades nos projetos, novas negociações (além de possíveis interferências na vida pessoal e familiar do indivíduo). E para que não haja desgaste da saúde física e emocional do profissional, é necessário analisar todos os custos que envolvem novas oportunidades, para assim aceitá-las com mais preparação e menos por impulso.

Criatividade, o princípio da inovação

 

Não são somentes as profissões ditas “criativas” (publicidade, artes, escritor, etc) que precisam de diversas maneiras de estimular a criatividade, para que o trabalho não caia na mesmice. Gestores de projetos, mesmo em áreas mais técnicas também precisam desse estímulo constante, para que consigam inovar, principalmente na resolução de problemas.

Inovação consiste em criar a partir dos recursos já disponíveis, podendo até mesmo manter os mesmos produtos e ferramentas, mas dar à eles novas utilidades, funções, sentidos e objetivos. Pensar em inovação é algo que todo profissional no mundo corporativo deve buscar desenvolver. E desenvolver a criatividade, é uma boa maneira para facilitar os processos de inovação.

Para estimular a criatividade é ideal participar de atividades fora da área em que atua. Praticar esportes regularmente (de preferência os que são praticados em equipe), fazer trabalho voluntários, ler diferentes gêneros de livros e assistir filmes internacionais (de preferência de outros contextos não-hollywoodiano), entre outras coisas “fora da caixa” são essenciais para estimular a criatividade.

Dicas para desenvolver novas habilidades

O mundo corporativo atual demanda um leque de habilidades bem maior do que algumas décadas atrás. Além disso, boa coisa é se essas habilidades não sejam apenas conhecimento sobre o tema, mas sim facilidade e domínio sobre tal (ou seja, habilidade bem desenvolvida mesmo).

Mas como obter e desenvolver novas habilidades, para não ficar na mesmice e ter um bom desenvolvimento na carreira também? Bom, uma dica inicial é: experimente coisas novas, trajetos novos, uma linguagens novas, ou qualquer outra coisa que te faça sair da zona de conforto.

Algo essencial para se aprender sobre esse assunto também é: não queira desenvolver muitas coisas novas ao mesmo tempo. Isso pode cansar o cérebro, e fazer com que ele não tenha um rendimento apropriado. O que pode causar frustração, além de perda de tempo.

É preciso dar tempo e espaço, para que a nossa mente e nosso corpo possa entender aquela nova atividade, e consequentemente desenvolver uma boa habilidade sobre aquilo. Pois tendo um bom desenvolvimento, isso não será apenas algo a mais que sabemos fazer, mas poderá contribuir para a nossa vida profissional e até mesmo pessoal.

O reconhecimento gera engajamento

Empresas de grande porte costumam investir em treinamento de recursos humanos para obter engajamento dos colaboradores, assim como em comunicação interna. Mas para empresas de pequeno e médio porte, com recursos financeiros reduzidos para investir em treinamentos, como melhorar o engajamento do público interno? Uma boa prática para conseguir isso é: saiba reconhecer a dedicação do colaborador.

Essa prática deve ser cultural da empresa. Não adianta a mesma repassar esse discurso aos líderes, para que eles o façam em suas equipes, se ela mesma não têm essa prática com os que estão em cargos de gestão.

Dependendo do projeto em que a equipe se encontra, a rotina do ambiente de trabalho pode ser exaustiva. É preciso motivação para transpor os obstáculos. Mas não é necessário agradar ou oferecer bonificações constantes para manter o colaborador motivado, pequenos ações de reconhecimento do seu esforço mostram à ele o quanto está valendo a pena enfrentar certos desafios. E consequentemente, pode gerar um ciclo de engajamento do colaborador para com a empresa.

O Bem Estar Da Liderança

 

Saúde física e mental é algo primordial para manter-se ativo no mercado de trabalho. Mas cargos de liderança têm afetado alguns profissionais. E é por isso que é preciso agir sempre em benefício da saúde e bem estar das lideranças.

Cada cargo têm seus desafios e suas responsabilidades. Quando falamos de cuidar do bem-estar das lideranças, não estamos sugerindo que as atividades sejam remanejadas, para que estes possam cumprir com suas obrigações de maneira mais tranquila. A sugestão é: atentar-se à saúde emocional do líder. Como está a sua motivação para com a empresa? Como é o sua qualidade de vida, fora do ambiente de trabalho? Essas e muitas outras questões devem ser levantadas para identificar se as pessoas com cargo de liderança continuam engajada com o desenvolvimento da empresa.

O benefício de fazer um trabalho social

 

Todos precisamos desenvolver as mais diversas habilidades para ter um bom andamento na carreira. Não basta apenas habilidades técnicas da nossa área, boas habilidades de pessoais e interpessoais também são essenciais. Mas como desenvolver quando se está iniciando a carreira, ou começando outra do zero? Além de buscar estágio na nova área, o que têm dado certo para muitas pessoas é fazer trabalho voluntário.

O trabalho voluntário estimula várias outras habilidades que outrora não faríamos no nosso ambiente de trabalho, devido a ser de área distinta ou porque simplesmente a atividade não demanda.

Habilidades de trabalho em equipe, empatia e liderança, são algumas desse montante de aprendizado que outrora poderá ser utilizado também no ambiente de trabalho ou familiar, ou quaisquer outros círculos sociais.

O trabalho voluntário faz muito bem aos colaboradores. Mas é possível beneficiar o branding a empresa também, quando ela se alia à uma causa social e incentiva o colaborador a fazer parte das ações.

Estratégias de aprendizado como ferramenta de gestão

 

Um bom líder está em busca constante de conhecimento para gerir a sua equipe sempre de maneira inovadora. E para inovar, é preciso buscar dados e informações fora do segmento também.

Estudos e técnicas sobre estratégias de aprendizagem, normalmente competem ao setor de educação, aos profissionais que estão envolvidos com o desempenho escolar (principalmente de crianças). Mas essas estratégias são essenciais para gerir equipes dentro do mundo corporativo também.

Há três estratégias de aprendizagem mais discutidas atualmente: mnemotécnicas, as estruturais e as generativas. Cada uma possui um objetivo de assimilar o conteúdo de maneira diferente, não certo ou errado, há adequações para cada situação.

Um líder que aplica estratégias de aprendizado na sua equipe, estimula o desenvolvimento pessoal e profissional do colaborador, e também diminui a probabilidade de repetição de erros. Além de estimular a busca constante por conhecimento, e minimizar o efeito “pergunta pra ele, que ele sabe” corriqueiro em algumas equipes.

O direcionamento nas equipes

Quando se tem um projeto em mãos, o objetivo final dele acaba sendo o direcionamento para a ação de todos. E é através disso que algumas lideranças se perdem no processo e acabam tendo que lidar com alguns problemas desnecessários, pois não sabem identificar direcionamentos diferentes.

Quando falamos desses aspecto referente às equipes, estamos nos referindo às decisões que podemos tomar em relação à divisão, ordem e prazo das tarefas. E mudar o direcionamento de algumas atividades pode trazer mais dinâmica para a equipe, e automaticamente alterar a velocidade dos processos.

Um bom líder deve ser capaz de identificar essas oportunidades e encará-las como formas inovadoras de conduzir um projeto.

O direcionamento das equipes não deve pertencer somente a um padrão de metodologia ágil, ele deve ser sempre aperfeiçoado pela liderança também, conforme os pontos fortes da equipe.