Autoridade Profissional

Ao questionarmos qual o perfil de uma pessoa que tem Autoridade Profissional, muitos podem responder que é aquela pessoa que tem anos de carreira ou alguém que ocupa um cargo alto na empresa. O grande problema é que isso pode representar outro grupo de profissionais: que são aqueles que têm poder, mas não tem autoridade suficiente. Sim, são duas coisas distintas.

A autoridade se constrói com confiança e inspiração. Esse é um patamar, não muito alto, mas importante para que um profissional alcance. Para construir autoridade no seu meio de atuação, é preciso que o indivíduo seja uma referência no meio em que atua, que tenha credibilidade quando falar e que seu método de execução (ou até mesmo estilo de vida) seja um exemplo à ser almejado de seguir. Ou seja, a autoridade é consequência de outras habilidades bem desenvolvidas

A autoridade profissional é algo que se constrói durante a carreira, por isso é necessário ter cuidado, e não confundir autoridade profissional com algum status apenas de poder.

Bons hábitos geram boas habilidades

O mercado de trabalho nos demanda boas habilidades profissionais, e também boas habilidades interpessoais. Mas a própria palavra “habilidade” já sugere destreza, domínio sobre tal coisa, então o que é preciso fazer para ser bom em várias dessas coisas ao mesmo tempo? Apesar de não existir uma resposta única para isso, podemos iniciar esse processo com uma coisa: bons hábitos.

Conforme uma pesquisa da Universidade Duke, dos Estados Unidos 40% das ações do nosso dia a dia, são feitas de maneiras inconsciente, ou seja, o cérebro decorou o padrão daquelas atividades e o fazem da mesma maneira, diariamente, sem precisarmos raciocinar para isso. Podemos dizer que essas ações são hábitos aplicados à nossa rotina. Mas consciente, de que nem todos são tão bons e construtivos assim.

Algumas habilidades profissionais e pessoais, não demandam aprendizado constante, basta utilizá-las constamente para que se tornem hábitos, a a tarefa seja apenas aperfeiçoá-las, quando necessário. Logo, podemos compreender também, que bons hábitos contribuirão para boas habilidades.

Bons hábitos também, pouparão a sua mente de raciocinar constantemente ao fazer aquela atividade, deixando assim ela livre para dedicar-se ao aperfeiçoamento de determinada atividade profissional, até você obter habilidade em lidar com a atividade.

A importância da credibilidade no ambiente de trabalho

“Um bom líder é aquele que é capaz de influenciar pessoas, sem ser temido”. Frases com esse sentido são publicadas regularmentes em discussões que envolvem o tema de liderança. Mas poucos discutem um conceito que subliminarmente constrói essa capacidade de influenciar as pessoas: a credibilidade.

Para um profissional ter credibilidade perante à sua equipe ou perante seus superiores, ele precisa ter domínio nas atividades que executa e algumas características pessoais, como honestidade e transparência, em destaque durante a sua atuação profissional.

Sabemos que para exercer uma boa liderança, é preciso outras habilidades pessoais e profissionais também, como ter uma boa gestão de pessoas e boa capacidade de resolução de problemas. Mas a credibilidade perante às outras pessoas é peça fundamental na formação de um bom líder. E a sua construção se dá desde o início da carreira do indivíduo, quando além de se preocupar em desenvolver as necessidades técnicas da profissão, o mesmo busca atuar sempre com honestidade e transparência.

Síndrome de Burnout: um mal silencioso

Muitas tarefas, muitas metas pessoais e profissionais, muitos lugares pra ir, muitos sonhos pra realizar… Seja algo da rotina ou qualquer outra coisa boa, quando começam a surgir os excessos, surge também o esgotamento. E é com isso que a Síndrome de Burnout está relacionada.

Reconhecida pelo psicólogo alemão-americano Herbert Freudenberger, na década de 1970, essa síndrome se refere ao esgotamento mental, que começa a sobrecarregar o físico também, e pode gerar graves consequências.

Os principais sintomas são: Cansaço excessivo, físico e mental; dor de cabeça frequente; alterações no apetite; insônia; dificuldades de concentração; sentimentos de fracasso e insegurança; negatividade constante; sentimentos de derrota e desesperança; sentimentos de incompetência; alterações repentinas de humor; isolamento; fadiga; pressão alta; dores musculares; problemas gastrointestinais e alteração nos batimentos cardíacos.

A melhor maneira de lutar contra a Síndrome de Burnout, após o diagnóstico e identificar a causa, é implantar hábitos diferentes no dia a dia, que possam trazer mais satisfação.

.É importantíssimo procurar um especialista, para que ele identifique se é Burnout, depressão ou outra doença psicossomática.

O profissional Growth Hacking

Com a necessidade de inovação constante dos tempos atuais, pensar estrategicamente e diferente tornaram-se características essenciais para qualquer profissional no mercado de trabalho. E Sean Ellis criou um termo que pode melhorar muito a forma de pensar do profissional: o Growth Hacking.

É comum esse termo ser associado à um cargo ou algo assim da área de marketing, ou programação, etc. Mas fato é que Growth Hacking se refere ao ato de encontrar brechas (hack) e obter crescimento (growth) através dessa oportunidade.

Essa forma de pensar, é extremamente necessária na resolução de problemas. E embora isso pareça remeter somente à áreas de marketing, projetos, tecnologia da informação ou algo assim, na verdade recomenda-se que todo profissional busque formas de pensar como essa, ou semelhantes, para que possam promover o crescimento da empresa, ou se for o caso, do próprio negócio também.

Ser um growth hacker é aspirar por crescimento e saber entender as brechas que surgem, ou seja, buscar soluções fora do trilho (cotidiano) comum.

O bem estar da equipe

Motivação é um item essencial para uma equipe bem produtiva, mas além de preocupar-se em manter uma equipe motivada, é preciso atentar-se à um item antecessor à motivação: o bem estar. Como anda a saúde dos seus colaboradores? Como está o relacionamento entre eles? Qual o nível de tensão no ambiente de trabalho? Qual o grau de satisfação com a liderança? Essas e outras questões, podem servir de indicadores para medir o bem estar da equipe.

Quando falamos do bem estar nas equipes, não nos referimos somente a questões de saúde física, mas também tudo que pode estar o bem estar mental de todos, assim como outras questões mais relacionadas ao trabalho como a disponibilidade de um bom ambiente físico para cumprir suas atividades e clareza na designação de tarefas. Ou seja, tanto questões subjetivas quanto as mais objetivas, podem influenciar o bom trabalho em equipe.

Analisar o indicadores que dão o índice do bem estar das equipes pode ser uma tarefa dos líderes e também do setor de recursos humanos da empresa. É bom que o setor de RH da empresa também esteja atento à isso, pois poderá observar também se possíveis oscilações no bem estar das equipes, provém de falhas na liderança.

O Bem Estar Da Liderança

 

Saúde física e mental é algo primordial para manter-se ativo no mercado de trabalho. Mas cargos de liderança têm afetado alguns profissionais. E é por isso que é preciso agir sempre em benefício da saúde e bem estar das lideranças.

Cada cargo têm seus desafios e suas responsabilidades. Quando falamos de cuidar do bem-estar das lideranças, não estamos sugerindo que as atividades sejam remanejadas, para que estes possam cumprir com suas obrigações de maneira mais tranquila. A sugestão é: atentar-se à saúde emocional do líder. Como está a sua motivação para com a empresa? Como é o sua qualidade de vida, fora do ambiente de trabalho? Essas e muitas outras questões devem ser levantadas para identificar se as pessoas com cargo de liderança continuam engajada com o desenvolvimento da empresa.

Dicas para um bom espaço de descompressão

 

No ambiente corporativo, muitos recorrem à palavra “descompressão” com frequência, em vários contextos. Mas neste texto, vamos falar sobre a pressão mental que o colaborador sente dentro do ambiente de trabalho, e como diminuir isso com ações dentro da empresa mesmo, através da criação de Salas de Descompressão.

São muitas metas à cumprir, muitas habilidades a desenvolver, muitas grupos heterogêneos para gerenciar. Todas essas e mais outras características do ambiente de trabalho, podem gerar uma sobrecarga emocional no colaborador e interferir na produtividade do mesmo (consequentemente no andamento dos projetos, etc). Então, muitas empresas têm optado por criar Espaços de Descompressão para buscar um equilíbrio melhor.

É ideal que tenha uma sala de descompressão em cada andar do prédio, pois isso diminui o tempo de trajeto não-produtivo do colaborador. Mas caso não seja possível, tudo bem, o importante é que o espaço seja calculado de acordo com o número de funcionários. Puffs, sofás pequenos, jogos e televisão são alguns itens que compõem o ambiente. É preciso ser um ambiente agradável, onde o colaborador possa relaxar, desconectar-se das atividades de trabalho.

Apoio emocional no trabalho

Apoio emocional no trabalho

Nos dias atuais, muitas pessoas sobrecarregadas emocionalmente, devido à grande cobrança de que devemos ser bem sucedidos no trabalho, no lazer, na atividade física, nos relacionamentos (afetivos, de amizades, de família, do trabalho). Devemos ter uma alimentação melhor, ler mais, adquirir mais conhecimento, fazer mais cursos, mas ao mesmo tempo: nos dedicar mais à família, praticar mais atividades físicas, viajar mais, fazer mais trabalhos voluntários, participar mais da política como cidadão, enfim.

Devido à crescente cobrança de alta performance nestas e em outras situações, muitas pessoas acabam se sentindo sobrecarregadas, e aquelas que trabalham integralmente (passam cerca de 60% das suas horas úteis no ambiente corporativo) podem transferir parte da sua situação emocional para o desenvolvimento no trabalho.

Por estas e outras questões (perdas familiares, dificuldades com os filhos, etc) que é necessário ações de apoio emocional no ambiente de trabalho. Estas ações podem ser: desde treinar os líderes para ter uma escuta mais ativa (lembrando que eles também precisam receber isso, para poder oferecer) ou serviços de psicoterapias pagos integralmente pela empresa. Pequenas ações também são muito eficientes, como: espalhar mensagens positivas no ambiente de trabalho, oferecer um horário e local para que o colaborador possa relaxar e se distrair um pouco, e após, voltar para o seu posto de trabalho com muito mais concentração e produtividade na atividade presente do que com preocupações externas.

A relação da Pirâmide de Maslow com o trabalho

A relação da Pirâmide de Maslow com o trabalho

Uma pesquisa realizada pela consultoria Towers Waston, ouviu 90.000 colaboradores em 18 países, e revelou que apenas 21% deles estavam engajados no trabalho. O índice de insatisfação com o trabalho têm sido algo preocupante ultimamente, mas isso ocorre porque o que muitas empresas fazem é investir em premiações/bonificações, ao invés de preocupar-se em atender a real necessidade do colaborador para que ele tenha satisfação com o ambiente de trabalho. E a Pirâmide de Maslow pode ajudar a resolver problemas como esse.

Essa teoria, criada pelo psicólogo Abraham Maslow, organiza de forma hierárquica as necessidades humanas. Ou seja, é inviável a pessoa ter uma boa auto-estima e desenvolvimento profissional, se antes ela não têm as necessidades básicas (como comida, água, abrigo) atendidas.

Segundo essa teoria, as necessidades humanas segue a ordem de: Fisiológicas (habitação, alimentação); Segurança (do corpo, da família, etc); Social (relacionamentos, família, comunidade); Estima (reconhecimento; auto-estima, status) e Realização Pessoal (criatividade, talento).

Sendo assim, é preciso que as organizações identifique em quais dessas necessidades é possível contribuir para que desenvolva a motivação dos colaboradores para com o ambiente de trabalho