Autoridade Profissional

Ao questionarmos qual o perfil de uma pessoa que tem Autoridade Profissional, muitos podem responder que é aquela pessoa que tem anos de carreira ou alguém que ocupa um cargo alto na empresa. O grande problema é que isso pode representar outro grupo de profissionais: que são aqueles que têm poder, mas não tem autoridade suficiente. Sim, são duas coisas distintas.

A autoridade se constrói com confiança e inspiração. Esse é um patamar, não muito alto, mas importante para que um profissional alcance. Para construir autoridade no seu meio de atuação, é preciso que o indivíduo seja uma referência no meio em que atua, que tenha credibilidade quando falar e que seu método de execução (ou até mesmo estilo de vida) seja um exemplo à ser almejado de seguir. Ou seja, a autoridade é consequência de outras habilidades bem desenvolvidas

A autoridade profissional é algo que se constrói durante a carreira, por isso é necessário ter cuidado, e não confundir autoridade profissional com algum status apenas de poder.

A importância da credibilidade no ambiente de trabalho

“Um bom líder é aquele que é capaz de influenciar pessoas, sem ser temido”. Frases com esse sentido são publicadas regularmentes em discussões que envolvem o tema de liderança. Mas poucos discutem um conceito que subliminarmente constrói essa capacidade de influenciar as pessoas: a credibilidade.

Para um profissional ter credibilidade perante à sua equipe ou perante seus superiores, ele precisa ter domínio nas atividades que executa e algumas características pessoais, como honestidade e transparência, em destaque durante a sua atuação profissional.

Sabemos que para exercer uma boa liderança, é preciso outras habilidades pessoais e profissionais também, como ter uma boa gestão de pessoas e boa capacidade de resolução de problemas. Mas a credibilidade perante às outras pessoas é peça fundamental na formação de um bom líder. E a sua construção se dá desde o início da carreira do indivíduo, quando além de se preocupar em desenvolver as necessidades técnicas da profissão, o mesmo busca atuar sempre com honestidade e transparência.

Saúde Mental no trabalho

Até o século passado, a força humana era algo fundamental para o mercado de trabalho. Embora sempre tenha existido funções administrativas e gerenciais, a mão de obra mais braçal, e principalmente o uso de força, era um item consideravelmente útil nas linhas de produções e/ou outras formas de produzir. Mas hoje, a demanda tem sido maior em outro quesito: a saúde mental. Mais do que saber exercer um bom trabalho manual, é preciso que o colaborador esteja com uma boa saúde mental, para continuar progredindo no ambiente de trabalho.

Vale lembrar, que não estamos falando de quem já possui uma patologia diagnosticada pela medicina. Falamos aqui sobre uma pessoa que está em boas condições mentais, mas após um certo nível de estresse no ambiente corporativo (ou quaisquer um dos outros círculos sociais dela), acaba perdendo suas boas condições e desenvolvendo outras patologias como depressão, ansiedade, Transtorno Obsessivo Compulsivo, etc.

É preciso cuidar da saúde mental, assim como cuidamos da saúde física. Isso inclui psicoterapias e atividades terapêuticas (yoga, artes manuais, artes marciais, etc). Uma boa rotina de exercícios físicos também é uma ótima fonte de cura para o estresse do dia a dia.

Dicas para desenvolver novas habilidades

O mundo corporativo atual demanda um leque de habilidades bem maior do que algumas décadas atrás. Além disso, boa coisa é se essas habilidades não sejam apenas conhecimento sobre o tema, mas sim facilidade e domínio sobre tal (ou seja, habilidade bem desenvolvida mesmo).

Mas como obter e desenvolver novas habilidades, para não ficar na mesmice e ter um bom desenvolvimento na carreira também? Bom, uma dica inicial é: experimente coisas novas, trajetos novos, uma linguagens novas, ou qualquer outra coisa que te faça sair da zona de conforto.

Algo essencial para se aprender sobre esse assunto também é: não queira desenvolver muitas coisas novas ao mesmo tempo. Isso pode cansar o cérebro, e fazer com que ele não tenha um rendimento apropriado. O que pode causar frustração, além de perda de tempo.

É preciso dar tempo e espaço, para que a nossa mente e nosso corpo possa entender aquela nova atividade, e consequentemente desenvolver uma boa habilidade sobre aquilo. Pois tendo um bom desenvolvimento, isso não será apenas algo a mais que sabemos fazer, mas poderá contribuir para a nossa vida profissional e até mesmo pessoal.

Clareza na Designação de Tarefas

Para que a equipe tenha bons resultados de produtividade é preciso que o trabalho em time seja realizado de maneira eficiente, ordenada e, preferencialmente, com motivações boas e constantes. Mas há um item que se faz extremamente necessário para que esse trabalho de time flua de acordo com os prazos, de maneira harmoniosa: a clareza nas divisões de tarefas e/ou atividades de cada etapa do projeto.

A divisão de tarefas, normalmente cabe ao líder da equipe. Por isso, é muito importante que habilidade de comunicação seja uma de suas principais habilidades, pois é preciso ter clareza nas informações. Como o cliente solicitou o projeto? Quais os pontos fortes de cada um da equipe, para que possa ser aproveitado o projeto? Cada colaborador entendeu corretamente o que é para fazer e o que o cliente solicitou?

A falta de clareza nas informações pode levar projetos e negócios ao fracasso. Pois corre-se o risco dos projetos tomarem outras direções, diferentes das propostas pelo cliente. Por isso é preciso estar bem atento e fazer monitoramento no decorrer dos projetos.

O Bem Estar Da Liderança

 

Saúde física e mental é algo primordial para manter-se ativo no mercado de trabalho. Mas cargos de liderança têm afetado alguns profissionais. E é por isso que é preciso agir sempre em benefício da saúde e bem estar das lideranças.

Cada cargo têm seus desafios e suas responsabilidades. Quando falamos de cuidar do bem-estar das lideranças, não estamos sugerindo que as atividades sejam remanejadas, para que estes possam cumprir com suas obrigações de maneira mais tranquila. A sugestão é: atentar-se à saúde emocional do líder. Como está a sua motivação para com a empresa? Como é o sua qualidade de vida, fora do ambiente de trabalho? Essas e muitas outras questões devem ser levantadas para identificar se as pessoas com cargo de liderança continuam engajada com o desenvolvimento da empresa.

Dicas para um bom espaço de descompressão

 

No ambiente corporativo, muitos recorrem à palavra “descompressão” com frequência, em vários contextos. Mas neste texto, vamos falar sobre a pressão mental que o colaborador sente dentro do ambiente de trabalho, e como diminuir isso com ações dentro da empresa mesmo, através da criação de Salas de Descompressão.

São muitas metas à cumprir, muitas habilidades a desenvolver, muitas grupos heterogêneos para gerenciar. Todas essas e mais outras características do ambiente de trabalho, podem gerar uma sobrecarga emocional no colaborador e interferir na produtividade do mesmo (consequentemente no andamento dos projetos, etc). Então, muitas empresas têm optado por criar Espaços de Descompressão para buscar um equilíbrio melhor.

É ideal que tenha uma sala de descompressão em cada andar do prédio, pois isso diminui o tempo de trajeto não-produtivo do colaborador. Mas caso não seja possível, tudo bem, o importante é que o espaço seja calculado de acordo com o número de funcionários. Puffs, sofás pequenos, jogos e televisão são alguns itens que compõem o ambiente. É preciso ser um ambiente agradável, onde o colaborador possa relaxar, desconectar-se das atividades de trabalho.

Apoio emocional no trabalho

Apoio emocional no trabalho

Nos dias atuais, muitas pessoas sobrecarregadas emocionalmente, devido à grande cobrança de que devemos ser bem sucedidos no trabalho, no lazer, na atividade física, nos relacionamentos (afetivos, de amizades, de família, do trabalho). Devemos ter uma alimentação melhor, ler mais, adquirir mais conhecimento, fazer mais cursos, mas ao mesmo tempo: nos dedicar mais à família, praticar mais atividades físicas, viajar mais, fazer mais trabalhos voluntários, participar mais da política como cidadão, enfim.

Devido à crescente cobrança de alta performance nestas e em outras situações, muitas pessoas acabam se sentindo sobrecarregadas, e aquelas que trabalham integralmente (passam cerca de 60% das suas horas úteis no ambiente corporativo) podem transferir parte da sua situação emocional para o desenvolvimento no trabalho.

Por estas e outras questões (perdas familiares, dificuldades com os filhos, etc) que é necessário ações de apoio emocional no ambiente de trabalho. Estas ações podem ser: desde treinar os líderes para ter uma escuta mais ativa (lembrando que eles também precisam receber isso, para poder oferecer) ou serviços de psicoterapias pagos integralmente pela empresa. Pequenas ações também são muito eficientes, como: espalhar mensagens positivas no ambiente de trabalho, oferecer um horário e local para que o colaborador possa relaxar e se distrair um pouco, e após, voltar para o seu posto de trabalho com muito mais concentração e produtividade na atividade presente do que com preocupações externas.

A relação da Pirâmide de Maslow com o trabalho

A relação da Pirâmide de Maslow com o trabalho

Uma pesquisa realizada pela consultoria Towers Waston, ouviu 90.000 colaboradores em 18 países, e revelou que apenas 21% deles estavam engajados no trabalho. O índice de insatisfação com o trabalho têm sido algo preocupante ultimamente, mas isso ocorre porque o que muitas empresas fazem é investir em premiações/bonificações, ao invés de preocupar-se em atender a real necessidade do colaborador para que ele tenha satisfação com o ambiente de trabalho. E a Pirâmide de Maslow pode ajudar a resolver problemas como esse.

Essa teoria, criada pelo psicólogo Abraham Maslow, organiza de forma hierárquica as necessidades humanas. Ou seja, é inviável a pessoa ter uma boa auto-estima e desenvolvimento profissional, se antes ela não têm as necessidades básicas (como comida, água, abrigo) atendidas.

Segundo essa teoria, as necessidades humanas segue a ordem de: Fisiológicas (habitação, alimentação); Segurança (do corpo, da família, etc); Social (relacionamentos, família, comunidade); Estima (reconhecimento; auto-estima, status) e Realização Pessoal (criatividade, talento).

Sendo assim, é preciso que as organizações identifique em quais dessas necessidades é possível contribuir para que desenvolva a motivação dos colaboradores para com o ambiente de trabalho

Brainstorm como ferramenta de produtividade

É muito comum ouvir reclamações relacionadas ao alto índice de reuniões improdutivas que existem no cotidiano corporativo. Mas é possível utilizar as reuniões à favor da produtividade também, realizando ações de Brainstorm!

O termo, originado do inglês, se refere a uma “chuva de idéias”. Ou seja, as ideias são colocadas “na mesa” aleatoriamente, sem requisitos definidos, e preferencialmente seja relacionada ao assunto do projeto. Digo preferencialmente, porque por vezes, buscar soluções fora do métier também é algo muito viável.

O Brainstorm é algo coletivo, diferente de uma reunião em que uma pessoa ou outra é encarregada de trazer novas idéias para propor soluções para o projeto. É uma prática que busca a inovação no processo de solução de problemas. Logo, essa prática se consiste em não descartar nenhuma ideia que foi proposta, tudo deve ser pautado. A partir do conjunto de ideias propostas, é feito um afunilamento até que se chegue em soluções inovadoras.

Por essas questões citadas, e outras, é que o brainstorm é considerado um aliado essencial da produtividade de uma equipe. Pois dá voz ao coletivo e elimina a necessidade de mais e mais reuniões improdutivas que tomam tempo de trabalho dos colaboradores.