Autoridade Profissional

Ao questionarmos qual o perfil de uma pessoa que tem Autoridade Profissional, muitos podem responder que é aquela pessoa que tem anos de carreira ou alguém que ocupa um cargo alto na empresa. O grande problema é que isso pode representar outro grupo de profissionais: que são aqueles que têm poder, mas não tem autoridade suficiente. Sim, são duas coisas distintas.

A autoridade se constrói com confiança e inspiração. Esse é um patamar, não muito alto, mas importante para que um profissional alcance. Para construir autoridade no seu meio de atuação, é preciso que o indivíduo seja uma referência no meio em que atua, que tenha credibilidade quando falar e que seu método de execução (ou até mesmo estilo de vida) seja um exemplo à ser almejado de seguir. Ou seja, a autoridade é consequência de outras habilidades bem desenvolvidas

A autoridade profissional é algo que se constrói durante a carreira, por isso é necessário ter cuidado, e não confundir autoridade profissional com algum status apenas de poder.

Saúde Mental no trabalho

Até o século passado, a força humana era algo fundamental para o mercado de trabalho. Embora sempre tenha existido funções administrativas e gerenciais, a mão de obra mais braçal, e principalmente o uso de força, era um item consideravelmente útil nas linhas de produções e/ou outras formas de produzir. Mas hoje, a demanda tem sido maior em outro quesito: a saúde mental. Mais do que saber exercer um bom trabalho manual, é preciso que o colaborador esteja com uma boa saúde mental, para continuar progredindo no ambiente de trabalho.

Vale lembrar, que não estamos falando de quem já possui uma patologia diagnosticada pela medicina. Falamos aqui sobre uma pessoa que está em boas condições mentais, mas após um certo nível de estresse no ambiente corporativo (ou quaisquer um dos outros círculos sociais dela), acaba perdendo suas boas condições e desenvolvendo outras patologias como depressão, ansiedade, Transtorno Obsessivo Compulsivo, etc.

É preciso cuidar da saúde mental, assim como cuidamos da saúde física. Isso inclui psicoterapias e atividades terapêuticas (yoga, artes manuais, artes marciais, etc). Uma boa rotina de exercícios físicos também é uma ótima fonte de cura para o estresse do dia a dia.

Dicas para desenvolver novas habilidades

O mundo corporativo atual demanda um leque de habilidades bem maior do que algumas décadas atrás. Além disso, boa coisa é se essas habilidades não sejam apenas conhecimento sobre o tema, mas sim facilidade e domínio sobre tal (ou seja, habilidade bem desenvolvida mesmo).

Mas como obter e desenvolver novas habilidades, para não ficar na mesmice e ter um bom desenvolvimento na carreira também? Bom, uma dica inicial é: experimente coisas novas, trajetos novos, uma linguagens novas, ou qualquer outra coisa que te faça sair da zona de conforto.

Algo essencial para se aprender sobre esse assunto também é: não queira desenvolver muitas coisas novas ao mesmo tempo. Isso pode cansar o cérebro, e fazer com que ele não tenha um rendimento apropriado. O que pode causar frustração, além de perda de tempo.

É preciso dar tempo e espaço, para que a nossa mente e nosso corpo possa entender aquela nova atividade, e consequentemente desenvolver uma boa habilidade sobre aquilo. Pois tendo um bom desenvolvimento, isso não será apenas algo a mais que sabemos fazer, mas poderá contribuir para a nossa vida profissional e até mesmo pessoal.

O benefício de fazer um trabalho social

 

Todos precisamos desenvolver as mais diversas habilidades para ter um bom andamento na carreira. Não basta apenas habilidades técnicas da nossa área, boas habilidades de pessoais e interpessoais também são essenciais. Mas como desenvolver quando se está iniciando a carreira, ou começando outra do zero? Além de buscar estágio na nova área, o que têm dado certo para muitas pessoas é fazer trabalho voluntário.

O trabalho voluntário estimula várias outras habilidades que outrora não faríamos no nosso ambiente de trabalho, devido a ser de área distinta ou porque simplesmente a atividade não demanda.

Habilidades de trabalho em equipe, empatia e liderança, são algumas desse montante de aprendizado que outrora poderá ser utilizado também no ambiente de trabalho ou familiar, ou quaisquer outros círculos sociais.

O trabalho voluntário faz muito bem aos colaboradores. Mas é possível beneficiar o branding a empresa também, quando ela se alia à uma causa social e incentiva o colaborador a fazer parte das ações.

Dicas para um bom espaço de descompressão

 

No ambiente corporativo, muitos recorrem à palavra “descompressão” com frequência, em vários contextos. Mas neste texto, vamos falar sobre a pressão mental que o colaborador sente dentro do ambiente de trabalho, e como diminuir isso com ações dentro da empresa mesmo, através da criação de Salas de Descompressão.

São muitas metas à cumprir, muitas habilidades a desenvolver, muitas grupos heterogêneos para gerenciar. Todas essas e mais outras características do ambiente de trabalho, podem gerar uma sobrecarga emocional no colaborador e interferir na produtividade do mesmo (consequentemente no andamento dos projetos, etc). Então, muitas empresas têm optado por criar Espaços de Descompressão para buscar um equilíbrio melhor.

É ideal que tenha uma sala de descompressão em cada andar do prédio, pois isso diminui o tempo de trajeto não-produtivo do colaborador. Mas caso não seja possível, tudo bem, o importante é que o espaço seja calculado de acordo com o número de funcionários. Puffs, sofás pequenos, jogos e televisão são alguns itens que compõem o ambiente. É preciso ser um ambiente agradável, onde o colaborador possa relaxar, desconectar-se das atividades de trabalho.

Apoio emocional no trabalho

Apoio emocional no trabalho

Nos dias atuais, muitas pessoas sobrecarregadas emocionalmente, devido à grande cobrança de que devemos ser bem sucedidos no trabalho, no lazer, na atividade física, nos relacionamentos (afetivos, de amizades, de família, do trabalho). Devemos ter uma alimentação melhor, ler mais, adquirir mais conhecimento, fazer mais cursos, mas ao mesmo tempo: nos dedicar mais à família, praticar mais atividades físicas, viajar mais, fazer mais trabalhos voluntários, participar mais da política como cidadão, enfim.

Devido à crescente cobrança de alta performance nestas e em outras situações, muitas pessoas acabam se sentindo sobrecarregadas, e aquelas que trabalham integralmente (passam cerca de 60% das suas horas úteis no ambiente corporativo) podem transferir parte da sua situação emocional para o desenvolvimento no trabalho.

Por estas e outras questões (perdas familiares, dificuldades com os filhos, etc) que é necessário ações de apoio emocional no ambiente de trabalho. Estas ações podem ser: desde treinar os líderes para ter uma escuta mais ativa (lembrando que eles também precisam receber isso, para poder oferecer) ou serviços de psicoterapias pagos integralmente pela empresa. Pequenas ações também são muito eficientes, como: espalhar mensagens positivas no ambiente de trabalho, oferecer um horário e local para que o colaborador possa relaxar e se distrair um pouco, e após, voltar para o seu posto de trabalho com muito mais concentração e produtividade na atividade presente do que com preocupações externas.

Persuasão e liderança

Quando falamos que uma pessoa tem a habilidade de persuasão, pode soar muito parecido com o sentido de que a pessoa é manipuladora. Hoje vamos falar sobre a importância dessa habilidade, que se usada com ética, pode contribuir muito para a liderança.

Persuadir é a ação de convencer as pessoas a seguirem pelo caminho que você tem segurança de estar certo. Mas diferente da manipulação, a intenção aqui não é obter vantagem sobre o outro e também não se faz o uso de quaisquer pressões à pessoa para que ela aceite a sua ideia.

Acredita-se que quando uma pessoa chega em cargo de liderança, ela já tenha determinadas experiências, conhecimento e habilidades técnicas suficientes para conduzir uma equipe, ou seja, que tenha entendimento de qual o melhor caminho a trilhar para alcançar os objetivos do projeto. Logo, á a habilidade de persuasão, dentro de ações éticas, que fará com que ele consiga levar a equipe consigo ou não ao sucesso nos alcances das metas.

É uma habilidade muito importante para a liderança, e pode ser desenvolvida através de leitura de livros ou outras práticas mais dinâmicas como cursos de teatro ou oratória também.

O direcionamento nas equipes

Quando se tem um projeto em mãos, o objetivo final dele acaba sendo o direcionamento para a ação de todos. E é através disso que algumas lideranças se perdem no processo e acabam tendo que lidar com alguns problemas desnecessários, pois não sabem identificar direcionamentos diferentes.

Quando falamos desses aspecto referente às equipes, estamos nos referindo às decisões que podemos tomar em relação à divisão, ordem e prazo das tarefas. E mudar o direcionamento de algumas atividades pode trazer mais dinâmica para a equipe, e automaticamente alterar a velocidade dos processos.

Um bom líder deve ser capaz de identificar essas oportunidades e encará-las como formas inovadoras de conduzir um projeto.

O direcionamento das equipes não deve pertencer somente a um padrão de metodologia ágil, ele deve ser sempre aperfeiçoado pela liderança também, conforme os pontos fortes da equipe.

Gestão de tempo: um aliado à produtividade profissional

 

Muito trânsito, muita correria, muitas atividades, muitas pendências, muitas responsabilidades. Nos deparamos com ao menos dois desses termos ao longo do nosso dia a dia. E muitas vezes consideramos que isso ocorre somente quando relacionado aos compromissos profissionais. Mas é preciso considerar que a gestão de tempo fora do ambiente profissional pode afetar a produtividade dentro do trabalho, tanto negativa quanto positivamente. Ou seja, se tiveres uma rotina mal administrada em quaisquer uns dos ambientes, os demais também serão afetados, e as atividades tornam-se “muitas” para um dia só.

Para termos uma qualidade de vida em ascensão, uma boa gestão de tempo é essencial. E qualidade no desenvolvimento profissional, é um item muito importante a se considerar dentro de todo o contexto do nosso dia.

Ferramentas de gestão de tarefas, muito utilizadas nas empresas (para desenvolvimentos de projetos), podem ser utilizadas também para fins pessoais. Assim, é possível obter mais atenção e dedicação ao que se faz no presente, levando em consideração de que há um planejamento para as demais tarefas (familiares, de estudos, etc) em outros horários do dia. Isso se torna um diferencial, para obter uma performance e produtividade melhor no ambiente corporativo.

Ter um bom planejamento dentro e fora do ambiente de trabalho, pode te ajudar também a eliminar tarefas supérfluas, que muitas vezes acabamos nos dedicando à elas por não entender a ordem ideal das tarefas, e outras mais importantes ficam “espremidas” em poucas horas no final do dia, quando o cansaço já se faz presente.

Consciência ambiental e o ambiente de trabalho

Empresas que se voltam para a sustentabilidade estão um passo à frente na construção e um bom relacionamento com a comunidade. Logo, é comum vermos ações por parte das organizações voltadas para o bem estar do meio ambiente. Mas isso é uma responsabilidade somente de pessoas jurídicas (organizações)? Não. A consciência ecológica começa pelo indivíduo, precisa ser um valor pessoal de todos também, não apenas jurídico.

Nos dias atuais, discussões sobre a preservação ambiental têm movimentado também o meio político internacional. Mas concorda que, se cada um fizer um pouco individualmente mesmo, a mudança pode ser maior? E o que isso tem a ver com o dia a dia no ambiente de trabalho?

Ao desenvolvermos a consciência ecológica individualmente, trabalhamos também outros valores como respeito e empatia. Preservar o meio ambiente não é somente zelar pelos recursos naturais para que eles não se acabem, mas também otimizar o uso de recursos artificiais para que estes durem mais e sejam aproveitados ao máximo antes de ser descartados. E se for possível de obter reciclagem com o descarte, melhor é.

Pessoas com consciência ambiental mais desenvolvida, tendem a manter um ambiente de trabalho mais limpo e organizado, para que os recursos sejam melhores aproveitados.